Grandes Obras

Serviços de segurança da Rússia sabiam de ameaças do Estado Islâmico, diz investigação

Serviços de segurança da Rússia sabiam de ameaças do Estado Islâmico, diz investigação


Os serviços de segurança do Kremlin estavam cientes de uma ameaça do Estado Islâmico-K dias antes do ataque a uma sala de concertos perto de Moscou, segundo documentos de inteligência russos obtidos por uma organização de investigação baseada no Reino Unido.

De acordo com o Dossier Center, com sede em Londres, os documentos mostraram que o grupo terrorista poderia estar envolvido.

Pelo menos 143 pessoas foram mortas na última sexta-feira no ataque mais mortal à Rússia em décadas, quando assaltantes invadiram um centro de eventos com armas e explosivos, pouco antes de um concerto ser realizado.

O Estado Islâmico reivindicou a autoria do ataque com declarações, fotos e um vídeo de propaganda filmado pelos terroristas.

O Centro de Dossiês é um grupo de investigação russo apoiado por Mikhail Khodorkovsky, um ex-magnata do petróleo russo exilado que se tornou crítico do Kremlin. Já foram revelados detalhes sobre o presidente russo, Vladimir Putin, e seu regime, muitas vezes usando documentos e vazamentos de dentro do governo russo.

“Poucos dias antes do ataque terrorista, membros do Conselho de Segurança receberam um aviso de que cidadãos tajiques poderiam ser usados em ataques terroristas em território russo”, disse o último relatório do grupo, divulgado no domingo e enviado à agência de segurança russa.

“Mesmo antes do ataque, uma fonte próxima aos serviços de inteligência disse ao Centro de Dossiês sobre isso”, acrescentou.

O Kremlin não respondeu ao pedido da CNN para comentar o relatório.

Imagens chocantes do ataque mostraram como as vítimas fugiram para salvar suas vidas e se esconderam em segurança com horror, com o local transformado em um inferno.

Quatro suspeitos, que são da República do Tajiquistão da Ásia Central, mas trabalharam na Rússia com vistos temporários ou expirados, compareceram ao tribunal no início desta semana enfrentando acusações de terrorismo, mostrando sinais visíveis de tortura. Três declararam-se culpados, de acordo com a mídia russa.

Apesar das relações entre Washington e Moscou estarem abaladas, os Estados Unidos alertaram a Rússia de que os militantes do Estado Islâmico estavam planejando realizar um ataque no país.

No início de março, a embaixada americana alertou sobre uma ameaça crescente de ataques terroristas à Rússia, com a porta-voz do Conselho de Segurança Nacional, Adrienne Watson, dizendo que os EUA haviam compartilhado essas informações com as autoridades russas sob a política de “dever de avisar”.

Mas em um discurso poucos dias antes do ataque, Putin rejeitou os avisos americanos como “provocativos”, dizendo que “essas ações se assemelham a chantagem direta e a intenção de intimidar e desestabilizar nossa sociedade.”

Putin, que recentemente ganhou uma eleição e garantiu outro mandato, sugeriu repetidamente, sem evidências, que a Ucrânia ajudou a orquestrar o ataque. A Ucrânia negou repetidamente ter quaisquer ligações com a ação.

O ex-deputado russo Ilya Ponomarev, um crítico exilado do Kremlin, disse que as últimas evidências colocam sérias questões para a liderança russa e suas forças de segurança.

“Vemos muito claramente que Vladimir Putin poderia ter reagido a vários avisos”, disse ele à Erin Burnett Out Front da CNN.

O Estado Islâmico reivindicou a responsabilidade por um ataque mortal à embaixada russa em Cabul, em 2022.

No ano seguinte, a polícia alemã prendeu várias pessoas do Tajiquistão acusadas de planejar um ataque à Catedral de Colônia, de acordo com o Dossier Center. Supostos membros do grupo terrorista também foram presos no Quirguistão, acusados de planejar um ataque a uma igreja ortodoxa.

De acordo com o Centro de Dossiês, a polícia russa estava monitorando todos esses relatórios e “considerou o risco” para a Rússia.

Este conteúdo foi criado originalmente em Internacional.



Fonte: CNN Brasil

administrator

Artigos Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *